Curta-metragem – Solidariedade Masculina


Curta-metragem realizado na Agencia de Atores Interpret.

Atores: Juliana Santos, Luis Carlos Junior, Wallace Arantes

Assistente de Direção: Edmar Ávila, Tatiana Miranda

Figurino e Maquiagem: Priscila França

Iluminação: Nilson de Souza

Áudio: Kadu Lemes

Direção: Roberto Garcia Marques

Anúncios
Curta-metragem – Solidariedade Masculina

Brincando com o Mascote


Um dos meus hobbys é filmar e editar, fazer aqueles pequenos filmes, brincar com audiovisual. Para não perder aquele costume fui pegar alguns momentos rápidos de cenas curtas do meu mascote. 🙂

Música: Silent Partner – Whistling Down the Road

Brincando com o Mascote

Wallace Arantes – Analista de Midias Sociais


Fiz esse vídeo para comentar um pouco sobre o meu trabalho, não tive muito tempo então eu fiz correndo, então não reparem muito, mas espero que dê para esclarecer alguma coisa !

Wallace Arantes – Analista de Midias Sociais

Jô Soares dá conselho ‘de gordo para gordo’ para Ronaldo


Jô Soares encontrou Ronaldo na festa no lançamento dos vinhos de Galvão Bueno e deu um conselho “de gordo para gordo” para Ronaldo, como conta a coluna “Olá”, do jornal “Agora”. Segundo a publicação, o apresentador disse ao jogador: “Quando quase ninguém acreditava em você, eu estava lá, torcendo. Agora, eu vou te dar um conselho, de gordo para gordo: Não entra em um spa, porque o spa é difícil. Eu digo por experiência própria”.

Jô Soares dá conselho ‘de gordo para gordo’ para Ronaldo

Os Feitos Mais Idiotas do Mundo


1º Colocado:
Quando o seu revólver calibre 38 falhou, durante uma tentativa de assalto, o assaltante, James Elliot de Long Beach, Califórnia, cometeu um pequeno erro. Virou a arma para ver se no cano tinha algo impedindo a arma de funcionar e experimentou apertar de novo o gatilho. Desta vez a arma funcionou…

2º Colocado:
O chefe de um hotel na Suíça perdeu um dedo no moedor de carnes e entrou com um pedido de ressarcimento na sua seguradora. Esta, desconfiando de uma possível negligência no uso do aparelho, enviou um inspetor que testou o moedor: fez exatamente a mesma operação e perdeu um dedo, ele também. O pedido de ressarcimento foi então aprovado.

3º Colocado:
Um homem ficou retirando neve da rua com uma pá por mais de uma hora, durante uma tempestade de neve em Chicago, para poder estacionar o seu carro. Terminado o trabalho, foi buscar o carro e, ao voltar ao lugar que tinha preparado com tanto esforço, encontrou uma senhora que tinha acabado de estacionar, com a maior naturalidade, no espaço que ele liberara. Explicou à polícia: – Como poderia deixar de dar dois tiros de fuzil na mulher?

4º Colocado:
Depois de ter parado para tomar todas num bar clandestino, o motorista de um ônibus no Zimbabue percebeu que os 20 doentes mentais que deveria levar para um asilo em Bulawayo, fugiram. Tentando esconder sua negligência, foi até uma parada de ônibus e ofereceu transporte de graça para as pessoas que estavam esperando no ponto. A seguir, foi até o asilo e entregou os passageiros, dizendo que eram muito perigosos e inventavam histórias incríveis para tentar fugir. O engano só foi descoberto vários dias depois.

5º Colocado:
Um adolescente americano foi internado num hospital com graves ferimentos na cabeça, provocados pelo choque com um trem. Questionado sobre como tinha acontecido o acidente, ele explicou para a polícia que estava simplesmente tentando descobrir quanto exatamente podia chegar perto do trem em movimento antes de ser atingido.

6º Colocado:
Um homem entrou num mercado na Louisiana, colocou uma nota de 20 dólares no balcão e pediu para trocar. Quando o balconista abriu a gaveta, o homem mostrou uma arma e mandou que lhe entregasse todo o dinheiro na gaveta. Depois fugiu, mas na pressa esqueceu a nota de 20 no balcão. O total que havia na gaveta e que o homem levou era 15 dólares…

7º Colocado:
Um homem no Arkansas estava tão afobado para tomar uma cerveja que resolveu jogar um tijolo contra a vitrine de uma loja para roubar algumas garrafas e fugir. Apanhou um tijolo e o jogou com todas suas forças contra a vitrine. O tijolo bateu e voltou, acertando exatamente a testa dele, que ficou desmaiado no chão até a polícia chegar. A vitrine era de plexiglass inquebrável e a cena foi filmada pela câmera de segurança da loja.

8º Colocado:
Na crônica local do jornal da cidade de Ypsilanti, Michigan, apareceu a notícia de um assaltante que entrou no “Burger King” da cidade às 5 horas da manhã, apontou uma arma para o caixa, e ordenou que lhe entregasse o dinheiro. O atendente explicou que devido a uma trava eletrônica, não poderia abrir o caixa sem um pedido. O homem então pediu cebolas fritas e o atendente retrucou que, pelo sistema, não poderia servir cebolas no café da manhã. O assaltante, frustrado, foi embora.

9º Colocado:
Um homem tentou roubar gasolina de um trailer estacionado numa rua em Seattle e a polícia encontrou-o no lugar, dobrado, no chão, vomitando sem parar. No relatório da polícia está explicado que o homem, ao invés de colocar a mangueira no tanque e -r para puxar a gasolina, colocou a mangueira no tanque da privada química do trailer e chupou com muita força. O proprietário do trailer se recusou a fazer o B.O. declarando que nunca tinha dado tanta risada na vida.

Os Feitos Mais Idiotas do Mundo

‘Cachorros Falam’ ensina a ler o idioma corporal dos cães


Dependendo da posição, uma orelha pode significar relaxamento ou agressividade. Teste seus conhecimentos

“Embora os principais códigos sejam os mesmos para todos, diferentes raças têm diferentes características de linguagem corporal. Um terrier jovem, que se empolga com facilidade, pode ter uma ‘fala’ rápida e prolixa, enquanto um velho labrador provavelmente falaria de maneira mais vagarosa e moderada”

O que um cachorro quer dizer quando levanta as orelhas e a cauda e, de boca aberta, encara o seu dono? A resposta a essa pergunta pode ser simples: sorrir. E também pode levar a níveis mais profundos de informação sobre o universo canino. É esse o ponto que tenta acessar a escritora Sophie Collins no livro Cachorros Falam – Entenda a Linguagem Corporal dos Cães, que chega ao país pela Ediouro (128 páginas, 24,90 reais).

“Pesquisando, descobri que uma série de sinais usados pelos cães eram considerados universais por especialistas, mas pouco conhecidos dos proprietários”, conta a autora, que buscou, durante os ensaios fotográficos realizados para o livro – a obra é estampada por dezenas de fotos – exemplos dos sinais identificados em seus seis meses de pesquisas. De acordo com Sophie, cada posição da cauda ou da orelha e cada tipo de olhar tem um significado, que pode ser redefinido pelos sinais que o acompanham. Orelha para trás, por exemplo, pode significar desconforto ou apreensão. Se vier junto com um rosnado, é agressividade na certa. Orelhas para frente, por outro lado, representam curiosidade e interesse, assim como cabeça inclinada e cauda erguida e parada.

Apesar da cara feia e das orelhas levantadas, o cão de crista chinês não está estressado. É o que indica a língua fora da boca

Quanto à cauda, o livro quebra conceitos. O tal rabo entre as pernas não significa necessariamente medo. A raça greyhound mantém a cauda naturalmente recolhida. Mais: cauda de pé, abanando, nem sempre representa vontade de brincar. Só se o abano for lento e suave. Um abanar amplo e intenso equivale a uma saudação efusiva, e uma vibração curta pode ser sinal de alerta, como ocorre quando o animal se mostra possessivo em relação a um brinquedo.

Os olhos também transmitem mensagens diversas. Se voltados diretamente para outros olhos, podem expressar desafio – pela etiqueta canina, cachorros costumam olhar outros cães ou pessoas de forma indireta.

Como um sinal pode ser ressignificado por outros, é importante ler sempre mais de um antes de se chegar a um veredicto. Uma boca aberta pode representar agressividade, se os dentes estiverem aparentes. Mas, se o que estiver à mostra for a língua, e não os dentes, então, o cachorro está tranquilo e pode até querer brincar. Aproveite para testar seus conhecimentos >AQUI<

É importante, também, observar cada cão para conhecer seus pormenores e aprender a ler as entrelinhas do seu discurso. Segundo a autora, tanto raça como personalidade acrescentam nuances à fala dos cachorros. “Embora os principais códigos sejam os mesmos para todos, diferentes raças têm diferentes características de linguagem corporal. Um terrier jovem, que se empolga com facilidade, pode ter uma ‘fala’ rápida e prolixa, enquanto um velho labrador provavelmente falaria de maneira mais vagarosa e moderada”, diz Sophie. “E, é claro, a personalidade individual influi na linguagem, também, assim como acontece com as pessoas.”

‘Cachorros Falam’ ensina a ler o idioma corporal dos cães